CACILDA BECKER, 40 ANOS DEPOIS

Obituário de Cacilda Becker no JB, pela crítica Barbara Helidora, que alguns chamam de Bárbara "Não-Me-Adora"

É difícil escrever sobre alguém que foi uma estrela, mas que ninguém conhece


Há quarenta anos, desaparecia, de forma trágica, a principal atriz brasileira de qualquer época. Mas, que mulher era aquela que mereceu do poeta Carlos Drummond de Andrade um poema tristonho? Que mulher era aquela que magnetizava seus colegas de profissão e os diretores que tiveram o privilégio de trabalhar com ela? Que mulher era aquela que, ao morrer, virou mito? Chamava-se Cacilda Becker Yáconis, paulistana de Pirrassununga, nascida numa família pobre que às vezes não tinha nem o que comer no almoço, e, na situação de penúria em que ela e suas irmãs enfrentaram, já tinha plena consciência de que seria mais dia, menos dia, alguém na vida. Ela foi mais do que isso. Foi uma legítima mulher de teatro, artista de valor invulgar e deleite para os olhos dos poucos que tiveram a primazia de vê-la em cena.


É preciso ter muito cuidado quando se escreve sobre pessoas famosas, porque corre-se o risco de supervalorizar essas pessoas, colocando-a num patamar talvez até maior do que ela merece. Não é esse o caso de Cacilda. Miúda, fragilizada, metamorfoseava-se num furacão tão logo subisse ao palco. Fora dele, lutou contra as arbitrariedades do regime militar que bloqueou as atividades cênicas no Brasil, sempre defendendo o ganha-pão de seus amigos. Fez do teatro sua razão de viver. Dignificou a atividade artística mais desvalorizada que se conhece. O crítico Yan Michalski, escrevendo no Jornal do Brasil seu obituário ("Cacilda para dentro da noite), lembrou de uma estrela que atuava num meio onde menos de 0,5% da população tem acesso. "Experimentamos hoje uma grave perda pessoal", anotou.


Há muito a falar sobre Cacilda. Eu tenho condições de fazer relatórios intermináveis a seu respeito. Esse site, no entanto, não comporta tanto. Apenas damos o registro. Cacilda merece. NAVEGANTES recomendam a leitura de dois livros que abordam sua trajetória. "Uma atriz: Cacilda Becker", de Nanci Fernandes e Maria Thereza Vargas (Edit. Perspectiva) e "Fúria Santa", de Luís André do Prado (Edit. Geração Editorial).


Cacilda Becker, maravilhosa atriz e maravilhosa mulher, em maio de 1969, estava montando "Esperando Godot", do irlandês Samuel Beckett, e sentiu-se mal em um dos intervalos. Ainda teve tempo de dizer: "Eu acho que eu estou tendo um derrame cerebral". Diagnóstico: aneurisma. Toda a classe artística, aguardando um milagre, velou a artista, durante os quase 40 dias em que se manteve hospitalizada. Foi a união mais comovente que se conhece. Ninguém descançou enquanto Cacilda manteve-se - a duras penas - viva. Faleceu em 14 de junho de 1969. Era casada com o também ator Walmor Chagas e era irmã da atriz (ainda viva) Cleyde Yáconis.


Felicidades!

Um comentário: