Vamos tirar a ferrugem da cultura

.

Enquanto a maioria dos intelectuais (essa ficção) esquiva-se do desafio de pensar a cultura numa perspectiva que não seja puramente relativista, o poeta popular, de ontem, hoje e sempre, marcha na direção contrária. Com irreverência incomum ele desmantela as estruturas que sustêm a baixaria, e funda, numa visão crítica - falecida a muito nas consciências - uma imagem poética do mundo contemporâneo. Que frescor; que alegria, não produz esses fabulosos artistas nos nossos corações. Das sombras eles anunciam que há vida inteligente e que nem tudo está perdido.

2 comentários: