Philip Roth vence o prêmio Príncipe das Astúrias das Letras

.

A literatura contemporânea deve muito a esse senhor. Seus livros são qualquer coisa de excepcional. O melhor dele é sua capacidade de transformar situações insólitas, em acontecimentos tragicômicos de alta voltagem. Ri de si mesmo, e não se levar tanto a sério; talvez seja a sua forma particular de tentar entender o mundo perscrutando os seus limites. Fico feliz em saber que ele recebeu hoje o Prêmio Príncipe da Astúrias de Literatura.  Merecido prêmio. 

Sou fã do Roth... Adoro seu estilo literário. Gosto ainda mais de seu desapego aos modismos e enfrentamento das convenções. Enfrentamento que tem lhe rendido algumas polêmicas como aquela de 2011, quando a jurada Carmen Callil do prêmio Man Booker o acusou de sexista, machista e chauvista.... Quantos elogios. Essa senhora tão politizada, não chegou a arranhar o brilho literário que estava sendo julgado. Roth agora leva mais um prestigiado prêmio para casa. Será ele o próximo Nobel? Não creio. A academia Sueca não costuma premir o estilo literário, a inventividade ou a criatividade de qualquer autor, mas sim o engajamento político dos escritores, uma infelicidade. Roth não é o tipo político, ao menos não naquele estilo panfletário e espetacular.

Um comentário: